Olá, seja bem-vindo (a)!
Quinta-feira, 23 de Novembro de 2017
NOTÍCIAS
20-08-2014 | 10:42
CBIC vê desaceleração do setor de construção civil em 2014

 Expectativa é de uma alta entre zero e 1% neste ano, contra 1,6% em 2013. Novo presidente da CBIC pediu prorrogação do Minha Casa Minha Vida 2



A construção civil, assim como o restante da economia, deverá registrar desaceleração este ano, afirmou nesta terça-feira (19) o novo presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), José Carlos Martins.

Para ele, o Produto Interno Bruto (PIB) da construção civil deverá ter alta de zero a 1% em 2014. No ano passado, avançou 1,6% (dado revisado), segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

"As obras da Copa do Mundo terminaram e não foram repostas. O Minha Casa Minha Vida 2, que é de extrema importância para o setor, vai ter a meta de 2,75 milhões de moradias alcançada, neste ano, antecipadamente", declarou Martins a jornalistas, lembrando que as casas do MCMV 2 têm de ser contratadas até o final deste ano. Ele também avaliou que as concessões ainda não estão contribuindo para um crescimento maior do setor.

O presidente da CBIC afirmou, porém, que a construção civil deve manter o nível de empregos neste ano. Atualmente, segundo ele, o setor emprega cerca de três milhões de trabalhadores. "Prevemos estabilidade no emprego em 2014", declarou.

José Carlos Martins defendeu ainda a prorrogação do Minha Casa Minha Vida 2, previsto para terminar em dezembro deste ano, por mais seis meses (ou seja, até junho de 2015) e a inclusão de mais 350 mil moradias – ampliando a meta geral para cerca de 3,1 milhões de unidades.

Em sua visão, isso evitaria uma lacuna de contratações até o lançamento do Minha Casa Minha Vida 3 – que tende a demorar alguns meses para ser viabilizado pela necessidade de edição de uma nova Medida Provisória, aprovação pelo Congresso Nacional, sanção presidencial, edição de portarias ministeriais e mudança de normas dos agentes financeiros. "O maior problema que tem é a descontinuidade. Que se dê continuidade para ter uma transição tranquila [para a terceira fase do programa]", avaliou Martins.

O presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção não fez uma previsão para o crescimento do setor no ano de 2015. Segundo ele, isso dependerá o comportamento da economia brasileira, da continuidade do Minha Casa Minha Vida, do ritmo das concessões e também do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). (Alexandro Martello, G1)

Sindicato das Indústrias da Construção do Estado de Mato Grosso (Sinduscon-MT)
Avenida Tancredo Neves, 93 - 2· andar - Bairro Jardim Petrópolis - Cuiabá (MT)
CEP 78070-122 - Fone: (65) 3627-3020
Anuncie - Política de Privacidade
2014 -Todos os Direitos Reservados
V3 Agência Web